A diferença entre Desfiles Conceituais e Desfiles Comerciais

História da Moda
16 de julho de 2008 23:17

jum_nakao_narrowweb__300x4510

Algumas pessoas quando assistem a desfiles de moda não entendem como um estilista pôde criar algo tão “ridículo”… Será que alguém vai sair pelas ruas usando “aquilo” ?! Calma minha gente, não é bem assim que funciona.

Os desfiles geralmente são conceituais. As tendências apresentadas nas passarelas – cabelos, maquiagens, calçados, acessórios e roupas – não devem ser seguidas a risca. Se você for às lojas, certamente encontrará peças comerciais que são feitas para serem usadas.

Mas… se você vir algo muito interessante e tiver coragem pra encarar, qual o problema, não é? Vai que “aquilo” combinou com o seu style. Nesse caso, só me cabe desejar boa sorte!

Os Desfiles Conceituais tem sua origem na Arte Conceitual que considera a idéia, isto é, o conceito por trás de uma obra artística, como sendo superior ao próprio resultado final. A aceitação desse conceito é tão importante que o resultado final dessa obra, algumas vezes, poderá até ser dispensado.

jum

Na década de 60, essa forma de expressão espalhou-se pelo mundo inteiro e resultou em vários movimentos artísticos e muito tem influenciado a arte contemporânea. Entretanto, desde Marcel Duchamp (pintor francês , 1887 – 1968), no início do século passado, podem ser percebidos os primeiros indícios da sobrevalorização do conceito.

200px-fontaine_duchamp250px-marcel_duchamp_mona_lisa_lhooq

Marcel Duchamp, A fonte e L.H.O.O.Q.

A escola de arquitetura alemã Bauhaus (1919) combatia a arte pela arte e estimulava a livre criação á fim de ressaltar a personalidade do homem. Foi sem dúvida uma grande responsável pelo desenvolvimento dessa forma de arte.

image003bauhaus-blue-circle-limited-edition-c12792278

Sede da Bauhaus em Dessau, Alemanha.

Já a Moda Conceitual é aquela que consiste na construção de imagens e a roupa fica em “segundo plano”. A valorização da coleção bem como do desfile dá uma projeção não só ao designer, mas às modelos, maquiadores, cabeleireiros, fotógrafos, diretores de arte, enfim, a toda equipe envolvida na apresentação da marca. Quando há um retorno por parte da mídia, as marcas alcançam o reconhecimento de vários intelectuais de outras áreas e atingem a designação pretendida – obra de arte.

080501_frio_feminino

Desfiles Conceituais de Ronaldo Fraga e Lino Villaventura

14_mvg_ale11

Desfile de Alexandre Herchcovitch

Na moda que também é considerada arte, o estilista que traz em sua coleção um conceito, nem sempre faz uma roupa ou desfile conceitual. O conceito pode ser demonstrado de uma forma mais comercial, através de temas, onde o designer evidencia a roupa e não a idéia. Ainda assim, ele pode expor a idéia em um catálogo ou outdoor conceituando dessa forma a sua coleção e causando curiosidade nas pessoas.

cenario115b15d1

Neste catálogo da Colcci a roupa é comercial e o tema aparece no cenário

29_mhg_cult_chanel

Desfile da Chanel onde o tema são os ícones da marca

O estilista inglês Alexander McQueen é mestre em desfiles conceituais e disse no início de sua carreira:
“Meus desfiles eram provocantes por uma razão: a necessidade de se fazer notar. Eu não preciso mais fazer isso, mas ainda acredito que tenho os meus 20 minutos para chamar a atenção das pessoas. Você pode não gostar do que faço, mas ao menos o que faço leva você a pensar.”

Alexander McQueen Revolution

[http://www.youtube.com/watch?v=5KzHaW5K2Q8]

 

Pensar: um dos propósitos de uma obra de arte é fazer o expectador pensar!

Nos desfiles, geralmente são colocados folders nos assentos que explicam os temas abordados pelos estilistas.  Isso  geralmente  possibilita o entendimento do que o artista-estilista quer expressar na passarela.

Alguns estilistas brasileiros realizam desfiles conceituais. O desfile de Jum Nakao, em Junho de 2004 entrou para história da moda brasileira. Em um dos mais emocionantes desfiles conceituais de nossa história, roupas extremamente trabalhadas e feitas em papel vegetal foram destruídas em plena passarela, ao final do desfile . O estilista questiona os valores da sociedade capitalista demonstrando o caráter absolutamente descartável da roupa.

138823-3374-ga138796-6269-ga1

Jun Nakaou em desfile conceitual questiona sobre o ciclo efêmero da moda

JUM NAKAO – AR DE PARIS – parte 10

Por Leonize Maurílio

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
This article was written by on quarta-feira, julho 16, 2008 at 11:17 pm. You can follow any responses to this entry through the RSS feed. You can leave a response, or trackback from your own site. Tags:

20 Comments

  • Nossa, muito bom vc dizer tudo isso

  • Nossa, muito bom vc dizer tudo isso, pq os desfiles pra mim eram muito estranhos…. kkkkkkk

  • Nossa, muito bom você dizer tudo isso, porque eu achava os desfiles muito estranhos…kkkkkkkkk

  • Muito legal seu artigo, aprendi muito! Obrigado por compartilhar seu conhecimento.

  • Muito legal esse seu artigo. Aprendi muita coisa! Obrigado por compartilhar seu conhecimento.

  • Muito interessante este artigo! Obrigada por compartilhar!

  • Artigo muito interessante! Obrigada por compartilhar!

  • guyler burk latka Maria perversity danko driv unboxed megaera

  • May I put part of this on my website if I post a reference to this website?

  • publi aviary Ceriel rouffe snaky Ifti trodden magnolias Tabina

  • A diferenca entre desfiles conceituais e desfiles comerciais, o conceitual e apenas um conceito que o estilista passa para sociedade de um determinado tema. O desfiles comerciais, e puramente voltado para o publico alvo trata das expectativas de vendas da colecao.

  • Maria Clara Penna

    Ola estou com algumas duvidas sobre o assunto , você acha que existe publico para comprar esses produtos conceitos? quem seria esse público ? e se existe marca que ja vendem produtos conceituais ?
    Muito Grata !!
    Parabéns pela matéria

  • perfect !1ta vendo q axamos na net o melhor conceito de desfiles vlw pra qem criou!1 o trabalho me ajudou muitissimo bjão

  • Neymar Queiroz Castro

    Eu sou contra a um desfile muito radical, sem pé nem cabeça, nunca menospreze a inteligência de quem vai assistir o seu trabalho na passarela. Obrigada

  • denize hallal reydams

    Parabéns à leonize por este belo artigo publico no site.Como estudante de moda em minha cidade vejo a dificuldade que é a aceitação de um desfile de moda onde predomina o conceito: é sempre conflitante e de pouco entendimento da massa mais popular. E aí vem os elogios(?) estão loucos com isto?, o que é isto? é para isto que estudam? e por ai vai….Vamos continuar lutando pra impor nossas criações e que sabe um dia sermos reconhecidos. Agradecida,
    Denize

  • BOM PRA VOCES DUENTES QUE NÃO TEM CULTURA Q NÃO ENXERGAM QUE A MODA É UMA FORMA DE EXPRESSÃO E QUE É UM MEIO DE COMUNICAÇÃO SOBRE QUEM VOCê É SOBRE O QUE VC QUER PASSAR DE VC PARA OS OUTROS JAMAIS COMPREENDERÃO DO QUE ESTA PAGINA FALA…
    PORTANTO O QUE POSSO LHES DIZER EH QUE FIQUEM QUETINHOS PRA NÃO FALAR BESTEIRA OK?
    E OS TAIS DESFILES QUE PARECEM NÃO TER PE´NEM CABEÇA A QUE VOCE SE REFERE É DE QUEM TEVE CAPACIDADE, QUE VC N TEM NEM JAMAIS TERÁ, DE CHEGAR A UM PATAMAR DA MODA QUE SE TORNA O CARA O QUE DITA O QUE SERA USADO E SE VC NÃO ESTA SATISFEITO VAI TIRAR ESSA ROUPA QUE VC TA USANDO PQ ELA CCTZ FOI IDEALIZADA POR UM ESTILISTA CONCEITUAL E SERVIU DE INSPIRAÇÃO PARA UM ESTILISTA COMERCIAL ATE CHEGAR A LOJINHA QUE VC COMPROU!
    VAI SE INFORMAR AO INVES D TD CRITICAR SEM TER ARGUMENTO O SUFICIENTE OK?

  • Robson chatão

    Puro caô!
    Duchamps quando meteu um conceito em suas obras tava a fim era de destruir a palavra Arte! Ele mesmo disse isso em entrevista. O cara tava de saco cheio daquela maneira porca-burguesa que todos tratavam a Arte e resolveu abstrair mais do que qualquer obra gestual poderia fazer.
    Aquilo era pura rebeldia! Sangue no olho! Nada a ver com o que é feito nas passarelas. O objetivo nesse caso é vender e pronto. Chamar atenção para a marca. Eu não como nada dessa onda aí de dizer que o cara queria fazer uma crítica ao modelo capitalista porque colocou as modelos rasgando roupas. Puro caô!
    O que Duchamps queria quando pagou à crianças para baterem bola numa galeria na hora da vernissage? Sacanear com os idiotas que tavam tratando a Arte como um mero negócio (ah! Meu amigo Godard! Que saudade de você!). E a fonte? Fonte de que? DE MIJO!!!!!!! Ele tava oferecendo era isso quando colocou um mictório na exposição. Não tava querendo chamar atenção para marca de porra de nada não! Não tava querendo tirar onda de “cult” ao passo em que projeta designers, modelos, maquiadores, etc!
    O mundo da moda engana jornalistas (e mais um monte de gente)! A mim não! Essa estrutura toda existe apenas pra destruir tudo aquilo que provoque rebelião. Se veste de “cult”, de alternativo, de punk, de enraizado numa cultura tradicional…tudo falsidade…o objetivo é sempre o din-din e não o questionamento dos valores dessa sociedade podre.
    É isso.
    Fui.
    Robson Chatão!

  • Show de bola.

    Elucida os mistérios daqueles desfiles que parecem nao ter nem pé nem cabeça.

    Very good!

Leave a Reply